fique por dentro

CAFEICULTURA SUSTENTÁVEL

Compostagem chama a atenção dos produtores de café especiais sul mineiros

Por: Leonardo Miranda
21/12/2016

“Compostagem é arte de imitar a natureza”, assim Eduardo Lima de Souza, engenheiro agrônomo, sintetizou o tema abordado em sua apresentação durante a última edição do Encontro Grupo Café Especiais realizada em 2016. O agrônomo, que também é cafeicultor e responsável técnico pela fazenda Ponto Alegre, no município de Cabo Verde, compartilhou sua vasta experiência teórica e prática sobre a compostagem em lavouras de café, despertando grande interesse dos cafeicultores participantes.


Cafeicultures mostram grande interesse pelos métodos de compostagem

Cafeicultures mostram grande interesse pelos métodos de compostagem


Com o tema “Processos de compostagem de resíduos orgânicos nas lavouras de café”, o agrônomo esclareceu que a prática não se trata de algo recente e muito de menos de algo complicado. “Compostagem é uma técnica milenar de preparação do solo! Ultimamente muito se tem falado sobre, porém se trata de uma técnica conhecida pela humanidade desde o Egito antigo e que nada mais é que imitar o que a natureza faz.”, explicou. Segundo o agrônomo, a compostagem pode ser considerada como um tipo de reciclagem do lixo orgânico. “É um processo natural! Nele os micro-organismos, como fungos e bactérias, são responsáveis pela degradação de matéria orgânica para beneficiamento do solo.”, pontuou. Os cafeicultores participantes destacam a importância da compostagem para conseguir exportar o produto. "A utilização da compostagem na propriedade é muito importante para conquistar as certificações necessárias para o café ser aceito lá fora." comentou Josiani Moraes, administradora da Fazenda Santa Cruz.

Eduardo Lima de Souza, engenheiro agrônomo, especialista em técnicas de compostagem em lavouras de café

Eduardo Lima de Souza, engenheiro agrônomo, especialista em técnicas de compostagem em lavouras de café

 

  • Reutilização da Palha do Café


Eduardo Lima destacou a importância do armazenamento correto da palha do café para viabilizar as diferentes maneiras de reaproveita-la. As técnicas de armazenamento apresentadas foram desenvolvidas ao longo dos anos com experiências de sucesso vivenciadas pelo agrônomo. “É preciso conhecer a fundo o processo de armazenamento correto para evitar transtornos como a autocombustão dos montes de palhas. Como tais incêndios são gerados por atividade biológica, apenas o correto manuseio dos montes de palha pode evita-los.”, pontuou. Ele também destacou que a escolha do local é fundamental para a armazenagem “O ideal é um terreiro bem compactado, com uma área capaz de atender a demandas da fazenda”, completou.


Depois de devidamente armazenadas, a palha pode ser reutilizada para alimentação de animais, combustível ou adubação da própria lavoura. “Seja como alimento, combustível ou adubação, a palha se apresenta como uma alternativa amplamente econômica e sustentável.”, argumentou. Eduardo ainda observou que como a palha tem valor comercial, podendo ainda ser vendida.


Dicas valiosas para os cafeicultores preocupados com a sustentabilidade de seus cultivos

Dicas valiosas para os cafeicultores preocupados com a sustentabilidade de seus cultivos


  • Reutilização da água


Outra opção apresentada para praticar a sustentabilidade no cafezal foi a mucilagem do café, que viabiliza o aproveitamento da água do processamento do café para a adubação orgânica das próprias lavouras. Uma tecnologia que possibilita devolver ao solo parte dos nutrientes utilizados pelas plantas de café. “Isso propicia menos risco de contaminação ambiental, economia financeira, a adubação das culturas e ainda: condições físicas, químicas e biológicas favoráveis do solo”, comentou o agrônomo.


 Foram apresentados resultados práticos dos métodos de sustentabilidade

Foram apresentados resultados práticos dos métodos de sustentabilidade


  • Adubação Organomineral


Eduardo ainda apresentou a tecnologia da adubação organomineral, que como o próprio nome já diz, trata-se de uma mistura de compostos orgânicos com a complementação de fontes minerais. “Devido à alta quantidade de matéria orgânica e mineral, as perdas dos nutrientes como nitrogênio, potássio, fósforo ou ureia são praticamente reduzidas à zero. Com o maior aproveitamento do adubo no solo, o organomineral fpossibilita uma redução significativa dos gastos do produtor”, expôs o agrônomo. Além da economia imediata, ele também citou a economia em longo prazo. “Isso acontece porque o adubo organomineral devolve vida ao solo e incentiva a proliferação de microrganismos, reestruturando-o. Com isso, o solo passa a absorver melhor os nutrientes aplicados. Como o adubo organo mineral se mantem no solo,  após quatro anos de adubação, já é possível aplicar até metade da quantidade que estava utilizada inicialmente”, explicou.


Eduardo enfatizou que o campo da adubação organomineral ainda é muito pouco explorado e que muito ainda precisa ser experimentado e estudado. "Mas, com certeza uma coisa eu posso lhes afirmar: É um campo tão inexplorado quanto promissor!",  finalizou.


Uma palestra para fechar com chave de ouro as edições 2016 do encontro Grupo Café Especial

Uma palestra para fechar com chave de ouro as edições 2016 do encontro Grupo Café Especial

 

  • Outras palestras da edição


O último encontro do Grupo Café Especial deste ano contou com uma confraternização oferecida pela Fazenda Santa Cruz: um café da manhã completo, um momento de descontração que aproxima ainda mais os integrantes do grupo, que prometem voltar com tudo em 2017. Antes da palestra principal da edição, conferida por Eduardo Lima, dois outros profissionais com ampla experiência quando o assunto é cafeicultura também compartilharam seus conhecimentos com os participantes.


Café da manhã de confraternização oferecido pela Fazenda Santa Cruz


Guy Carvalho, agrônomo responsável pela organização dos encontros, deu início às atividades reforçando a importância da utilização de fósforo no solo. “É um tema que venho trabalhando com os integrantes do grupo e que procuro reforçar a cada encontro ou visita individual aos meus assistidos.”, destacou Carvalho. Recentimente o agrônomo lançou o canal Papo de Empresário no YouTube, no qual vocês conferem o vídeo no qual ele trata sobre a aplicação de fósforo no cafezal(clique aqui -  Aplicação de fósforo no cafezal)


O agrônomo Guy Carvalho ressaltou a importância da aplicação de fósforo no cafezal

O agrônomo Guy Carvalho ressaltou a importância da aplicação de fósforo no cafezal


Na sequência, Claudio Bachião Filho, professor do IF Sul de Minas campus de Muzambinho, falou sobre nutrientes. “A nutrição do solo é um processo permanente que demanda a utilização de produtos de alta qualidade”, pontou o professor. 


Claudio Bachião Filho, professor do IF Sul de Minas campus de Muzambinho

Claudio Bachião Filho, professor do IF Sul de Minas campus de Muzambinho

fique por dentro