fique por dentro

A EMPREENDEDORA RURAL

Depois de atuar em uma grande empresa, ela encarou o desafio de levantar uma fazenda que, hoje, é exemplo de rentabilidade na região

Por: Leonardo Miranda
10/09/2016

Ela representa um novo conceito de produtor rural: uma mulher empreendedora, com conhecimento de produção, visão de negócios e consciência de mercado. Formada em Administração de Empresas e Direito, pós-graduada em Processo Civil, ela se transformou em uma gestora na produção de café que atua em um mundo globalizado, produzindo no sul de Minas para atender ao mercado internacional. Uma história iniciada em meados de 2008 que prova que o potencial empreendedor feminino não tem limites.



Administração consciente acompanha toda a produção, inclusive experimentando o café no
 pé

O plantio


Ao assumir a administração da Fazenda Santa Cruz, localizada entre as cidades de Paraguaçu e de Machado, Josiani Moraes aceitou um novo desafio em sua vida. “Antes de 2008, eu só costumava visitar a fazenda nos finais de semana, apenas para passear. Depois, quando fui administrar, lembro que pedi a movimentação financeira e outras informações sobre a produção. Tudo que recebi foi apenas um caderninho com algumas anotações”, conta Josiani.


Mesmo com a experiência de 15 anos atuando em uma das maiores empresas de produtos alimentícios do país, Josiane teve que sair em busca da matéria-prima básica para o sucesso em um novo ramo: conhecimento


Josiani Morais destaca a importância da organização administrativa para o sucesso do cultivo


De acordo com os registros da propriedade, antes da gestão de Josiane, a fazenda colhia, no máximo, 25 sacos de café por hectare. A colheita era 60% mecanizada e 40% manual e toda a produção só poderia atender ao mercado regional, realidade que começou a mudar quando a administradora escolheu o rumo que daria para a fazenda: voltar sua produção de café para atender a um mercado mais rentável, isto é, ao mercado externo. “Foquei meus esforços para valorizar a produção e vi que precisaria atender criteriosos requisitos para conquistar certificações de propriedades necessárias para o nosso café ser aceito no exterior”, explica Josiani.


Ela pontua que os seus compradores só se interessam pelos produtos feitos com responsabilidade. “Lá fora, eles sabem que a qualidade final de qualquer produto depende diretamente do comprometimento de toda a cadeia produtiva com questões de segurança alimentar e preocupações socioambientais”, completa.




Frequentemente Josiani recebe a visita de representantes de empresas estrangeiras interessadas em comprar sua produção


O manejo


Aproximadamente seis meses de trabalho da administradora bastaram para a fazenda conquistar seu primeiro certificado de qualidade: o “Nucoffee”. No ano seguinte, houve mais um certificado: desta vez, o “UTZ”. Em 2011, foi a época de garantir o “Certifica Minas”. Em 2013, a conquista foi dupla, pois foram dois certificados, sendo eles: “4C” e “BSCA”. Em 2014, veio a maior de todas as conquistas: a certificação de propriedade “Rainforest”, um dos mais criteriosos certificados do ramo alimentício do planeta.


Certificados conquistados pela Fazenda Santa Cruz valorizam a produção e possibilitam a exportação do produto


Com tantas certificações, fica mais que comprovada a excelência do trabalho voltado para melhorar a produção, valorizando os funcionários e respeitando o meio ambiente. “Possuímos mais de 20% de área de preservação. Essas áreas estão distribuídas no entorno da fazenda, delimitando nossas terras ao formar um corredor ecológico. Desta forma, garantimos que a flora e a fauna da região tenham condições de sobrevivência”, argumenta a administradora.


Corredores ecológicos contribuem para redução do uso de agrotóxicos, criando um ecossistema que garante proteção natural contra as pragas do café


Além disso, Josiani destaca que esses corredores ecológicos, justamente por serem necessários para um meio ambiente saudável, acarretam diretamente a redução do uso de agrotóxicos. “As áreas de preservação possibilitam uma procriação de predadores naturais para muitas das pragas do café que aterrorizam os produtores da região”, explica. Ainda dentro do contexto da preservação ambiental, como água é vida, foram criados nove grandes açudes e nove poços menores para garantir o abastecimento de espécies da flora e fauna.


Açudes garante a umidade do ar na propriedade e garantem a existência do ecossistema natural, preservando a flora e a fauna nativa


Entre as espécies de árvores presentes na fazenda, estão: peroba, jacarandá, cabreúva, bico-de-pato, timburi, ingá, canela-do-brejo, ipê-amarelo e paineiras. Entre as espécies animais, é possível avistar uma grande variedade de pássaros, tais como: urubu-rei, canário-da-terra, tucano, entre outros. Mamíferos como o veado-mateiro, paca, capivara, jaguatirica e onça-parda também compõem esse ambiente natural dentro da fazenda.


A colheita


Josiani praticamente triplicou a capacidade produtiva da fazenda, passando de 25 sacos por hectare, em 2008, para a média de 50 a 80 sacos de café colhidos atualmente por hectare, sendo 90% da colheita mecanizada e apenas 5% manual.


 




A Fazenda Santa Cruz atende possui toda a infraestrutura exigida para atender o mercado externo


Assim, essa verdadeira empreendedora rural conquistou o respeito necessário para poder escolher os seus clientes. “Interessados em comprar não faltam!”, comenta Josiani. Essa nova realidade possibilitou agregar mais terras à propriedade, somando 650,6 hectares hoje (sendo 150 hectares de mata nativa preservada e 392 hectares de café). A produção média anual é de 12.000 sacas de café, produto que chega a valer até 20% mais que os cafés de propriedades não certificadas.



Com tanta competência administrativa a produção e a propriedade não param de crescer


Outro diferencial da Fazenda Santa Cruz é o zelo com seus funcionários, que têm todos os seus direitos garantidos, sempre trabalham com os equipamentos de segurança exigidos e, além disso, ainda contam com benefícios especiais. Tudo isso garante comprometimento com o trabalho e sorrisos nos rostos dos funcionários.





Atenção com os funcionário está entre as prioridades da Fazenda Santa Cruz


A Fazenda Santa Cruz é propriedade do marido de Josiani, o italiano (naturalizado brasileiro) Giovanni Bragagnolo, que confia e incentiva o trabalho da esposa. “Tudo aqui é mérito da minha esposa: ela é a grande responsável, ela levantou essa fazenda”, afirma o marido com orgulho.

fique por dentro