NOSSA HISTÓRIA

  • Com terras privilegiadas, relevo montanhoso e água abundante, a Fazenda Santa Cruz está localizada no Sul de Minas Gerais, no município de Paraguaçu, e possui características favoráveis à produção de café. A Fazenda foi adquirida em 1992 e, até aquela época, havia somente plantações de laranja na propriedade.

  • Após a aquisição da fazenda, decidiu-se pelo plantio de café. Os primeiros pés começaram a ser cultivados a partir de 1998, iniciando-se também o investimento tecnológico nas lavouras e em infraestrutura, como a implantação do sistema de secagem em câmaras fechadas, único no Brasil.

  • O desafio da Fazenda sempre foi o de melhoria contínua na cafeicultura, valorizando o trabalho dos colaboradores a fim de atingir qualidade e excelência na produção da commoditie mais importante de Minas Gerais.

  • Durante a atual gestão, a Fazenda conquistou as mais importantes certificações na cultura do Café - UTZ Certified, Rainforest Alliance e Certifica Minas, e é associada a BSCA (Associação Brasileira de Cafés Especiais).

ESTRUTURA

Via úmida totalmente moderna com capacidade para realizar todos os tipos de processamento.A Fazenda possui dois terreiros para secagem, sendo um com 10.000 m² e o outro com 12.000m².

Além disso, nove secadores foram montados em cabines com controle de temperatura e extração de umidade independentes e são controlados individualmente por um sistema eletrônico.

A preocupação com melhorias nas máquinas de colheita e pós colheita, afim de atender as necessidades da Fazenda, é uma constante, sempre em parceria com a engenharia do fabricante desses maquinários.

Além de alguns construtores de máquinas, como Agrale e Pinhalense, também colaboram diretamente com a Fazenda outras instituições, como a Embrapa, o IEF (Instituto Federal de Muzambinho), a EPAMIG e outros, que juntos somam experiências para melhoria nos equipamentos e parceria em projetos na cafeicultura.

SALA DE PROVA

Em busca de constante melhorias na qualidade dos serviços e produtos da Fazenda Santa Cruz, iniciou-se a implantação da “Sala de Prova de Café”, uma vez que no mercado atual é de extrema importância que o produtor conheça aà qualidade do produto que irá ofertar.

Em 2016, foi inaugurada a Sala de Provas da Fazenda, batizada de “CoffeeHouse”,que atende todos os requisitos necessários para a realização da prova de cafés dentro da metodologia SCAA. O laboratório conta com equipamentos que permitem qualidade e eficiência nas provas, desde torrador, moedor, torre de água quente e LeNezdu Café, além de uma estrutura física totalmente preparada para atender os métodos de preparo das amostras para prova e rastreabilidade dos resultados.

A Fazenda realiza anualmente um “Painel de Qualidade”, que compreende a colheita manual de pequenos lotes de todos os talhões e variedade existentes no local em perfeito estágio de maturação. É realizada a secagem totalmente artesanal e, após a seca, realiza-se a análise sensorial de todos lotes. Os lotes são então pontuados, além de receberem uma descrição criteriosa a fim de identificar características como aroma, corpo, acidez e doçura. Através desse procedimento é possível identificar os sabores e as notas que mais se destacam nas variedades produzidas na Fazenda.

A pontuação média das variedades se encontra entre 80 e 87 pontos (SCAA), com notas de chocolate, avelã, sabor ameixa, caramelo, limão, flor de laranjeira, baunilha, mel, manteiga, abacaxi, melaço, floral e cedro, e a acidez é considerada cítrica e delicada.

A ORIGEM DO CAFÉ NO SUL DE MINAS

Os pioneiros na cultura do café no Sul do estado de Minas Gerais, de acordo com registros históricos, são as famílias Carvalho Dias, Bastos, Junqueira e Barros Cobra. As lavouras se propagaram rapidamente e, no início do século XX, já impulsionavam a economia de cidades como Guaxupé, Varginha, Poços de Caldas, São Sebastião do Paraíso, Cabo Verde, São Sebastião da Grama, Três Corações, Alfenas e Lavras.

Nessa região, há destaque para uma mulher que não mediu esforços para estimular a cafeicultura e foi pioneira no ramo, Inês Carvalho Dias. Aos 25 anos, Inês, viúva e mãe de 4 filhos, não aceitou a condição imposta pela sociedade da época de ser apenas uma mulher prendada e do lar e comprou uma fazenda na divisa de São Paulo e Minas Gerais. Com a ajuda dos filhos, iniciou a lavoura de café e com os lucros obtidos nessa terracomprou ainda mais duas fazendas.

NOSSA EQUIPE

JOSIANI MORAES

LUIZ CARLOS CARDOSO

LUCIANO CUNHA

ELBER CAIXETA